O menino do alto da montanha

maio 28, 2017


Título: O menino do alto da montanha
Autor: John Boyne
Editora: Seguinte
Páginas: 225
Ano: 2016
Gênero: Literatura Estrangeira



Frustrante e cruel. Estou de coração partido. 




Todos os livros de John me surpreenderam, e com esse minha gente, ainda não me recuperei.

O livro se passa em quatro partes: 1936| 1937| 1942 e 1945, e meu coração já foi destruído só com o epilogo, que aconteceu depois da II Guerra Mundial.

Pierrot Fischer é filho de um alemão e de uma francesa, que levavam uma vida humilde em Paris. Quando ainda não entendia direito sobre o mundo, aos quatro anos, foi obrigado a lidar com a morte do pai, e aos sete com a perda da mãe. (Sério gente, nesse momento do livro, fiquei um tempo pensando, a morte é um processo natural do ser humano, mas é tão difícil imaginar uma criança que mal entende o que esta acontecendo lidar com isso, e isso acontece a todo instante.)

Então, sem ter pra onde ir, sem ter quem o sustentasse, Pierrot acabou indo para o orfanato, localizado em Orléans – passou uma temporada, até receber uma carta de uma tia distante, pedindo que fosse morar com ela -.

Tia Beatrix, é governanta em Berghof, uma mansão enoooooorme (obvio né, se é mansão é enooooorme) no alto de uma montanha alma, próxima da divisa com a Austria.
O dono da mansão era temido por todos os empregados e só passava por ali algumas temporadas.
Para garantir a segurança do menino, Beatrix o informa que ele se chamará Pieter, ressaltando sua ascendência alemã – e que NUNCA mais deve falar sobre seu passado (principalmente sobre seu melhor amigo judeu que ficou em Paris).

Quando Pierrot conhece o dono da mansão e patrão da tia, descobre que se trata apenas de Adolf Hitler, líder do partido nacionalista-socialista e comandante do país.

Apesar do medo, em pouco tempo o garoto é escolhido pelo Führer, que o presenteia com um uniforme da Juventude Hitleriana isso se tornou a principal referencia do garoto.
Antes uma vitima constante do bullyng Pierrot, agora vê na autoridade uma possibilidade de inverter o jogo.

Lembra do amigo judeu de Pierrot? Então, Anshel e Pierrot mantiveram a amizade mesmo na distancia, por cartas. Entretanto, com o tempo Pierrot começa a tomar Hitler como um espelho, começa a odiar Anshel e ver todos como seus súditos.

Depois que ganha de presente do próprio Hitler o uniforme da Juventude Hitleriana, as mudanças no menino ficam visíveis e Pierrot que era um garoto feliz e ingênuo se transformou em um jovem autoritário, e infeliz.

Durante o amadurecimento, sua adolescência dói carregada de dor e sofrimento e quando ele finalmente alcança a vida adulta, começa a ter outros olhos sob as coisas, e que principalmente, Hitler não é e nunca foi seu amigo.

Pra finalizar, Pierrot teve uma vida dura, sofrida e cheia de arrependimentos, mas no final, viu que o tempo não destrói uma amizade verdadeira.

Minha gente, esse livro é obrigatório em algumas escolas – confesso que deveria ser obrigatório em todas as escolas.

É uma história pequena, um livro curtinho, mas que vai te arrancar lágrimas e te mostrar que às vezes o sofrimento é que vai te fazer encontrar o seu lugar. 


Você pode se interessar também

2 comentários

  1. Estou lendo esse livro agora neste momento, peguei ele para ler ontem e realmente as primeiras paginas ja sao um impacto!
    https://biahhysilva.wordpress.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foi um dos livros que eu demorei um pouco pra digerir a história, mas tem tantas lições que nos faz pensar em nossas ações. Quando terminar, vem me contar o que achou viu? Um beijo!!

      Excluir

Siga me os bons!

Me Segue aqui também

@resenhasecafe